Quinta-feira, 30 de outubro de 2014
 
Artigo

Energia e desenvolvimento sustentável

Os conselheiros do CDES debatem, desde 2008, questões relacionadas à matriz energética brasileira focalizando reflexões e proposições sobre oferta e demanda; e energia renovável e não renovável, alicerçadas em um novo padrão de desenvolvimento fundamentado na sustentabilidade social, econômica e ambiental.

Assessoria da Sedes

19/04/2011

 

 

Reunião de conselheiros do GT Matriz Energética com ministro da Educação Fernando Haddad em 2009 Reunião de conselheiros do GT Matriz Energética com ministro da Educação Fernando Haddad em 2009

Os conselheiros do CDES debatem, desde 2008, questões relacionadas à matriz energética brasileira focalizando reflexões e proposições sobre oferta e demanda; e energia renovável e não renovável, alicerçadas em um novo padrão de desenvolvimento fundamentado na sustentabilidade social, econômica e ambiental.

O debate e as proposições do CDES se orientaram para uma reflexão ampla sobre o modelo atual de produção, distribuição e consumo em um novo padrão de desenvolvimento no qual sejam priorizados, simultaneamente, redução do desperdício e conservação de energia; e a crescente incorporação de energia limpa e renovável, sem perder a oportunidade de realizar a exploração e produção de petróleo, tanto o existente como o da camada do pré-sal.

Os Conselheiros, coerentes com o princípio da indissociabilidade entre segurança energética,segurança hídrica,segurança ambiental e segurança alimentar, e com o objetivo da sustentabilidade econômica, social e ambiental, defendem que a produção e a exploração do pré-sal são importantes para o desenvolvimento econômico e social do país bem como o uso do potencial hidrelétrico e da biomassa e outras fontes renováveis.

O eixo dos debates do CDES sobre energia não é restrito a questões relacionadas à oferta de energia. Ressalta também a demanda de energia com discussões sobre aspectos vinculados à mudança dos padrões de consumo e eficiência energética, entre outros assuntos relevantes para o desenvolvimento sustentável com equidade, como a articulação da produção de energia com o trabalho verde (green job).

As recomendações do CDES, neste sentido, voltam-se para: sustentabilidade, educação, cultura e ciência e tecnologia e inovação; cidades e construções sustentáveis; economia verde e empregos verdes; políticas para a sustentabilidade e eficiência energética; ampliação da participação da sociedade civil nos debates e fóruns sobre sustentabilidade, energia e mudanças do clima.

A sustentabilidade deve preceder e presidir estudos, análises e recomendações. Para que a educação ambiental seja efetiva e contribua para a mitigação dos efeitos das mudanças do clima e a formação de uma nova cidadania, foi consenso nas discussões entre os conselheiros que as instituições de ensino sejam incubadoras de mudanças concretas na realidade social articulando três eixos: edificações, gestão e currículo.

Também foram focados novos padrões de construções e de cidades sustentáveis pensando na melhoria da qualidade de vida da população urbana e na redução das emissões de CO2 nas cidades brasileiras, assim como no aumento da eficiência energética e na melhoria do uso da água nas residências e edificações públicas e privadas. Os Conselheiros consideram essencial adotar um novo modelo de cidades sustentáveis no Brasil, ancorado em sistema de transporte público de massa.

Visando propiciar sustentação política à mudança de paradigma no campo da sustentabilidade e da eficiência energética, o CDES elencou sugestões voltadas a fortalecer os instrumentos de planejamento e gestão do setor público e buscar maior envolvimento e compromisso do setor privado e de todos os segmentos da sociedade brasileira. A ampliação da participação da sociedade confere robustez e perenidade às políticas adotadas e assegura o controle social dos compromissos assumidos pelo governo, pelo setor privado e pela sociedade civil para enfrentar, por exemplo, as mudanças do clima e mitigar os seus efeitos.

Nos futuros debates a serem promovidos pelo CDES estarão temas como: energia nuclear, matriz de transportes, renovação de concessões de hidrelétricas, política tarifária de energia, integração energética sul-americana e papel do Estado na política energética, energias renováveis, ampliação e fortalecimento da regulação e governança do setor.

 

Documento relacionado

 Relatório n.º 1 - GT Matriz Energética -

GT Matriz Energética para o Desenvolvimento 

Outras notícias
« 1 2 3 4 5  de 353  »
Twitter
  • Já conhece o canal do @cdes_brasil no Youtube? Acesse e assista entrevistas, cobertura de eventos e muito mais! http://t.co/ZdMQG005qL
    às 10:24 em 30/out (qui)Ler no twitter
  • [Coluna dos Conselheiros]: Jacy Afonso escreve sobre "Um conselho para o Brasil". Leia no site do @cdes_brasil: http://t.co/Kt7Kqnly24
    às 13:35 em 29/out (qua)Ler no twitter
  • [Coluna dos Conselheiros]: Leia o o artigo "Dinheiro não é o problema", de Ruy Martins Altenfelder Silva: http://t.co/kQdNi6ZYII
    às 16:07 em 27/out (seg)Ler no twitter
  • Acesse nosso clipping e leia as principais notícias sobre o #CDES e os conselheiros publicadas no mês de setembro: http://t.co/YONSrbG16P
    às 11:15 em 06/out (seg)Ler no twitter
Acesso à Área Restrita